Cláudio Ramos no FC Porto: os planos da baliza campeã nacional a partir de 2020-21

A ser verdade o que se veicula em toda a imprensa nacional, da contratação a custo zero (apenas custos de assinatura) de Cláudio Ramos, Tondela, é importante traçar possíveis destinos e planos para a baliza do recém campeão nacional FC Porto.

Estamos já a assumir que a baliza nunca teria como trio de GRs: Marchesin, Diogo Costa e Cláudio Ramos. 

Entrada de Cláudio Ramos no FC Porto significa (pela lógica):

– Operação de baixo custo para um GR com credibilidade e provas dadas, bom em campo e balneário.
– Alternativa de luxo a Marchesin (já tinha também com Diogo) e português (ajuda na lista da Liga Campeões).
– Diogo Costa emprestado a uma equipa de primeira liga, nacional ou estrangeira, para ter minutos a tempo inteiro.

O que parece ser uma contratação para tapar Diogo Costa, pode ter outro intuito no plano de futuro.

O clube assim vai mantendo assim a qualidade na baliza do FC Porto e mostra um plano de confiança para Diogo Costa que, a titular numa equipa na 1a liga na próxima época, se destacaria. Nesta idade tem de jogar para se cimentar. E o potencial está lá todo. Seria óptimo para o seu crescimento e consolidação no futebol de alto nível.

Estamos portanto a assumir a continuidade de Marchesin e saída por empréstimo de Diogo. A outra hipótese seria a venda de Marchesin, mesmo parecendo menos provável este desfecho pela importância no título nacional deste ano e por não ter um valor de mercado muito elevado que compense a sua saída a curto prazo.

Em jeito de previsão diríamos que a saída e venda de Marchesin se daria em 21/22 com a baliza do clube a ser fixada em Diogo Costa e Cláudio Ramos depois do Marchesin dar rendimento desportivo.

Traçadas as possibilidades, fica o momento de espera para se saber mais novidades para a próxima temporada. Até lá é só futurologia… mas o FC Porto garante um dos melhores guarda-redes dos últimos anos em Portugal.

Mas esta é a nossa interpretação. Digam a vossa…

Facebook Comments