A época 2019-20 de Rui Silva no Granada: estreia na Liga Espanhola, 100 defesas e acesso à Europa

por Gonçalo Xavier, Fundador e Gestor d’A Última Barreira e Treinador de GR

Existe muito aquela expressão que “quem trabalha e espera sempre alcança” e nada melhor podia ser atribuído ao guardião do Granada, Rui Silva, que com 26 anos de idade se tornou dos guarda-redes mais apetecíveis do mercado em Espanha.

De formação partilhada entre Brás Oleiro (futsal em infantil), Maia e Maia Lidador, Nacional da Madeira, cedo se mostrou em Portugal mas nunca ao grande nível e estabilização da actualidade. Este Rui Silva, para quem deixou de o acompanhar desde a saída da liga portuguesa, é muito melhor. Mais confiante, mais ciente do seu talento e capacidade, mais estável!

Um percurso em ascensão… de “ninguém” a “tudo”.

Chegou ao Granada em 2017 depois de ter feito a primeira metade da época no Nacional da Madeira e teve zero jogos na equipa que desceu da principal liga espanhola à segunda e que tinha na baliza Ochoa e a seus suplentes Olazabal, titular no Levante nos anos seguintes e Kelava que tinha sido referência nos anos anterior no Dínamo Zagreb. A equipa ficou em último classificado e todos estes saíram e ficou apenas um para tentar o regresso à principal liga em Espanha: Rui Silva.

No ano seguinte, em 2017/2018, foi contratado Javi Varas que tinha sido titular no Las Palmas na época anterior, referência dos campeonatos espanhóis com passagens de relevância no Sevilha, Celta de Vigo, Valladolid e Las Palmas, e Rui Silva voltou a ficar “em espera”. Para completar a baliza estava Escandell de formação partilhada entre Valência e Málaga e que neste momento é a “sombra” de Rui Silva na equipa principal em 2020, juntamente com João Costa contratado para o Granada B esta época e que entretanto ascendeu à equipa principal. Mas voltando até ao fim de 2018, o clube ficou em 10º lugar da 2a liga espanhola, a poucos pontos do “playoff” de subida, e no ano a seguir voltava a competir na liga secundária. Rui Silva continuou e passou de 5 jogos feitos apenas (em mais de ano e meio no clube) para ser quase totalista de uma equipa que foi a melhor defesa da competição com 28 sofridos em 42 jogos disputados, numa competitiva 2a liga espanhola no ano em que subiram, sendo um dos guarda-redes do ano na competição.

A entrada na La Liga… e sucesso na mesma

Esta época, em estreia (merecida) na La Liga, não podia ter corrido melhor: Top 5 de guarda-redes com mais defesas da competição (100), inúmeras defesas de qualidade e decisivas no resultado, 7o lugar na liga e acesso no último minuto praticamente às eliminatórias da Liga Europa! 

Estatísticas via Whoscored

Contada a história, de um misto de capacidade e de muita superação de um guarda-redes pouco tido em conta em Portugal ao longo do tempo – actualmente talvez aconteça menos – e de alguém que já justifica alguém olhar para a selecção portuguesa, ficam as suas melhores defesas e 2019-20 num Granada que fez história e de um guarda-redes muito cobiçado em clubes com mais “nome” em Espanha e com valores falado entre os 10-15 milhões de euros para a sua contratação:

Facebook Comments