Neuer: É possível ter erros e não sofrer. Mas para os comuns mortais, não é sorte que dure (Análise)

Temos insistido muito na parte da transição defensiva nas recentes análise pelas nossas plataformas de comunicação, entre Twitter, Facebook e Instagram. Neuer é um daqueles “espécimes” que podem fazer as coisas mal, na base e pormenor antes de enfrentar a bola e adversário, que compensa em grande plano pela sua incrível e quase única complexão física.

bestsellers-mrec

Ontem o Bayern venceu o Lyon por 3-0 e avançou para a final da Liga dos Campeões. Mas no início da partida… foi a equipa francesa a criar (muito perigo) por via da defesa alta da equipa bávara. Um desses casos foi num 1×1 levado ao limite por Depay e que falharia na baliza. É importante analisar tudo o que se passou antes do remate e perceber que há muita reflexão e debate que pode surgir de um lance… que não teve uma defesa ou golo.

Num jogo de probabilidades e de lógica de risco-benefício, os ímpetos precisam de ser controlados e os pensamentos mais complexos deixados de lado Aquilo que “pode acontecer” mas que é pouco provável, não se deve hierarquizar a algo com mais possibilidades.

 

Passe de ruptura, antes do meio campo, a surgir com homem perto e para uma desmarcação do avançado entre dois centrais em zona central. GR bem basculado (do centro para o lado da bola) e com bom posicionamento:
FORMA DO PASSE: Essencial perceber isto e ter isto na análise da trajectória da bola: o passe é pelo ar ou chão? Qual é melhor orientado pelo avançado? Qual pode ter mais sucesso do GR antecipar? Foi pelo chão, para um avançado e para o seu pé.
Neuer tomou duas decisões, avançar e voltar a fixar (desta vez fora da área). Na imagem abaixo, de avançar rapidamente e depois voltar a recuar. E onde fixou com o avançado com bola dominada, ao fora da área e com dois defesas perto? Fora da área. A vermelho, onde ficou, a branco para onde devia transitado (mais ou menos) no passe, em baixo representado:
Foi toda uma sequência surreal de pensamentos/decisões/acções que acabaram por ter um desfecho positivo – o facto de não ter sido golo – porque Depay foi lento a vislumbrar a baliza desde o primeiro domínio da bola após o passe e porque Neuer é fisicamente incrível. E só alguém tão forte fisicamente é que, perante estes erros todos, é que consegue compensar nos momentos de simulações e remate em ficar sem cair, levar o avançado para a diagonal “fora” e depois fazer a extensão com o corpo para cobrir a baliza:
Há sempre lições e reflexões que podemos fazer. Aqui existiram algumas componentes de análise básicas que ajudam MUITO os comuns mortais, que são guarda-redes, e não se chamam Neuer. Porque ele consegue compensar o caos por si criado ou outros. “Nós” não.
por Gonçalo Xavier (Fundador e Gestor d’A Última Barreira e Treinador de GR) 
Facebook Comments