#J5 Liga Portugal 20-21 – Erros, não para esquecer, para (re)lembrar do que não se pode repetir e grandes defesas também!

Em nova jornada da Liga Portugal 20-21, trazemos novamente tudo o que se passou na principal liga portuguesa no que diz respeito aos guarda-redes.

bestsellers-mrec

Podem ler sobre a Jornada 4 (aqui)

[Tondela 1-0 Portimonense]: (ver resumo aqui)

Antes de falar do bom que aconteceu em ambas as balizas, é importante – no que diz respeito a Samuel, guardião do Portimonense – salientar um golo sofrido… que já é repetido e já foi por nós analisado na Jornada 2 (ver aqui), em que na altura dissemos o seguinte:

“No golo sofrido, num 1×1 por si criado após uma aproximação ao avançado, este último tocou a bola por baixo do GR que seguia em movimento e fez o gesto técnico mas em vão. Este tipo de 1×1 tem geralmente este tipo de finalização associado ou de fintarem o GR, sendo ambas difíceis para o GR parar. Para reflexão: aproximação agressiva mas acabar por fixar e daí responder ao remate, talvez fosse uma melhor decisão e com mais possibilidades de êxitos para o perigo que dali podia advir.”

E sofreu novamente um golo igual. Situação de 1×1 em que o GR tenta aproximar rápido e é apanhado em movimento e a bola passa rasteira para o único golo da partida. Numa defesa que oferece alguns espaços nas suas costas é importante o GR começar a dominar a tomada de decisão de onde e quando ir e também do momento de travar e fixar.

Pedro Trigueira esteve na baliza do Tondela e ofereceu a segurança necessária à equipa – será que há espaço para Niasse voltar? E também teve sorte num falhanço inacreditável com a baliza aberta do adversário.  Mas sorte também é necessária…. E Samuel do outro lado fez grandes intervenções e ainda viu um par de lances terminar no seu poste e, não fosse o golo, passava imaculado na partida. Samuel tem sido o melhor elemento da equipa esta época… nesta que é a sua estreia na principal liga portuguesa.

[Nacional 1-1 Paços Ferreira]: (ver resumo aqui)

Aqui jás, para nós, o melhor guarda-redes desta jornada 5: Daniel Guimarães.

Segurou o Nacional na 1a parte com duas grandes defesas – que, curiosamente, a forma como as defendeu foi parte da causa do golo sofrido que, a avançar com uma bola em movimento, tem de cortar a trajetória e é uma ação técnica mais complicada – e na segunda parte com a defesa da jornada e uma das melhores da época certamente. Todos em seu redor gritavam golo…  e ele com a sua mão esquerda esticada evitou o golo. E ia sendo decisivo para uma vitória, não fosse um golo anulado ao Nacional por 3cm. Grande partida no geral.

Do outro lado Jordi pouco podia fazer melhor no golo sofrido, mesmo que tenha feita uma abordagem “acrobática” ou de recurso, como acharem conveniente, era difícil evitar o golo. Talvez uma ação em parede resolvesse… mas pouco há a dizer do seu jogo.

A melhor defesa da jornada para A Última Barreira:

[Santa Clara 1-2 Sporting CP]: (ver resumo aqui)

Há jogos assim em que as coisas não saem bem. E aqui foi aos dois guarda-redes num golo cada em ataques à profundidade defensiva mal medidos.

Marco Pereira com problemas nas tomadas de decisão e na velocidade das mesmas à retaguarda (1o golo) e aproximação (2o golo). No primeiro a sua transição defensiva foi relativamente lenta, o suficiente para o remate surgir ao poste perto e num “ângulo morto”, como é acima do ombro e não dar para esboçar reacção e assim não ser defendida. E tudo isto porque há uma fração em que esboça uma aproximação ao portador da bola e depois volta a descer. E foi o suficiente. Foi esta hesitação e a velocidade do deslocamento. No segundo, por falha de coordenação entre defesa e GR, sai-se fora da área e choca com o central e a bola sobra para o adversário encostar com a baliza vazia. Parece na transmissão que diz “Sai” mas não foi o suficiente para ser evitado este choque. E a saída no espaço foi mal medida até porque o defesa estava perto do portador da bola. Um dia não, de um dos guarda-redes que está a ser um dos maiores destaques deste início da época.

Do outro lado Adán teve um erro igual na profundidade onde não mediu bem que o avançado estava mais perto da bola e saiu-se, foi ultrapassado e também o avançado encostou. E aqui as culpas dividem-se por vários elementos da defesa do Sporting CP mas o guardião espanhol teve uma má tomada de decisão e o resultado foi em golo adversário.

[FC Porto 1-0 Gil Vicente]: (ver resumo aqui)

Jogar no Dragão esta época é sinónimo de grandes exibições de GRs? Depois de Amir… Foi Denis a brilhar num jogo em que voltou a defender uma grande penalidade. E defendeu tanto que é melhor verem o resumo da partida. E se antes deste jogo se podia achar que Daniel Guimarães seria o melhor guarda-redes da jornada… esta partida de outro brasileiro, desta vez na baliza do Gil Vicente, pode fazer questionar isso.

E do outro lado Marchesin teve trabalho em transições defensivas da equipa mas apenas foi chamado a se aplicar por uma vez. Jogo sereno e sem maiores exigências.

[Farense 0-1 Rio Ave]: (ver resumo aqui)

Com duas equipas que ainda procuravam as primeiras vitórias na liga 20-21, e já com algum público na bancada (tal como nos jogos do Tondela e do Santa Clara) para assistir a uma partida de muitos nervos e indecisões individuais e colectivas. Foi um grande golo de Mané, muito influenciado pela força que a bola ganhou com o vento, a resolver a partida e pouco mais se pode dizer que isto. Jogos tranquilos de Defendi e Kieszek respetivamente. Mas temos de deixar uma nota muito relevante: Se há momentos onde os guarda-redes são prejudicados injustamente, nesta partida logo no minuto inicial com um golo anulado ao Farense, Kieszek não sofreu falta. O toque na bola é bem antes do choque entre jogadores e portanto existiu aqui um erro grave de arbitragem que beneficiou o guarda-redes. E isto é algo raro.

[Moreirense 2-1 Marítimo]: (ver resumo aqui)

No primeiro golo sofrido do Marítimo, apesar do cruzamento ter sido intercetado pelo adversário e desviado assim para a baliza, Amir teve um erro de tomada de decisão técnica ao tentar bloquear a bola em vez de desviar. É de louvar a coragem e confiança para tal mas existia risco inerente. E acabou pela bola a passar no meio das mãos e entrar.

Curiosamente os seus dois golos sofridos foram na mesma dinâmica: bola transportada em zona central, colocada na largura num homem mais aberto e com cruzamento tenso e baixo para alguém encostar de trás para a frente. No primeiro deu em auto-golo, no segundo já houve o tal toque. Pelo meio o Marítimo teve um expulso e tudo se complicou. E mesmo assim Amir evitou uma goleada histórica, fazendo por diversas vezes defesas de difícil execução.

Do outro lado, perto do final do jogo, Pasinato sofreu golo num livre lateral que sofreu um desvio de cabeça do adversário ao primeiro poste. Bola difícil para o guardião num jogo “fácil” para si fora este lance. Esteve a segundos de nova baliza inviolada, jogo ingrato individualmente falando, mas deu para conquistar à mesma os 3 pontos.

[Famalicão 2-2 Boavista]: (ver resumo aqui)

Um jogo de remontadas, com golos (apenas na segunda parte) e continuação de um dia com expulsões de jogadores (e que pioraria no jogo seguinte…)

E foi um dos jogos, depois do Santa Clara-Sporting, que se incluem no título deste artigo. E nada o indicava. Até ao primeiro golo marcado/sofrido, os dois guarda-redes estavam muito bem. Léo Jardim estava estável na primeira parte, principalmente no ar, e defendeu um penalti no início da segunda parte e Zlobin já vinha com 2 defesas fantásticas.

Mas o primeiro golo sofrido pelo Famalicão, não havendo uma clara perspetiva do lance, dá a entender que Zlobin foi “lento” cair/voar para defender a um remate que surgiu rasteiro e exterior. E no segundo sofrido voltou a falhar no jogo aéreo e saiu “tarde” e sofreu golo. E tudo parecia pender a favor da primeira vitória na época para o Boavista…

Pouco depois surge novo penalti contra o Boavista e Leo Jardim já não conseguiu parar o mesmo. E depois no último suspiro da partida, e com o Boavista com menos um jogador, sofreu um livre direto batido lateralmente em bola alta e tem culpas claras pelo erro técnico e de leitura de trajetória. Um jogo que para si estava muito estável e positivo, a crescer claramente… e foi vergado por um falhanço no último lance. E desabou em lágrimas no final do jogo até por perceber que nem fazendo a maioria das coisas bem… conseguiu ajudar a equipa a ganhar. Jogo muito ingrato principalmente para Léo Jardim, numa partida de alta exigência e dificuldade.

[Vitória SC 0-1 SC Braga]: (ver resumo aqui)

Os jogos do domingo tiveram quase todos vermelhos e este não foi exceção, num sempre escaldante derby do Minho que contou com poucos golos mas muitos vermelhos (3 no total, 2 para a equipa bracarense).

Um jogo com muita atividade em vários remates de ambas as equipas, no lado vimaranense a ir para fora da baliza de Mattheus e do outro a surgir em defesas relativamente acessíveis para Varela. Destaque para a sua defesa perto do final da partida perante um momento isolado desde o meio-campo num 1×1.

[SL Benfica 2-0 B SAD]: (ver resumo aqui)

Odysseas com uma noite muito serena e do outro lado foi André Moreira o protagonista. E que está num momento de forma muito bom!

O ainda jovem guardião português levou com uma avalanche de futebol ofensivo nos primeiros minutos e não conseguiu evitar um golo difícil de defender porque de resto foi muito estimulado em momento de 1×1 e sempre correspondeu. Tirando no segundo golo sofrido onde tomou uma má decisão fora da área, não entendendo que a bola tinha ficado mais curta e assim jogável pelo avançado contrário e chegou tarde, foi driblado para o golo. Sentenciou apenas uma partida que teve praticamente sentido único e que foi jogada, salvo poucos minutos, num ritmo baixo.

A imagem de destaque vai para Daniel Guimarães (Nacional Madeira) mas podia ir para Denis (Gil Vicente). Fizeram ambos grandes exibições. 

Facebook Comments