#J6 Liga Portugal 20-21 – Pouco a salientar (GRs) além de um regresso a Portugal e um recorde de defesas!

Em nova jornada da Liga Portugal 20-21, trazemos novamente tudo o que se passou na principal liga portuguesa no que diz respeito aos guarda-redes.

bestsellers-mrec

Podem ler sobre a Jornada 5 (ver aqui)

[Paços Ferreira 3-2 FC Porto]: (ver resumo aqui)

Uma das surpresas da época para quem não tenha visto o jogo ou só olhe para os nomes. O Paços de Ferreira superiorizou-se ao atual campeão nacional e venceu sem contestação.

Mantiveram-se os atuais titulares das equipas, Jordi e Marchesin respetivamente, onde as equipas foram eficazes e pouco há a dizer sobre os golos sofridos de cada um. Jordi sofreu o primeiro de penalti e o segundo um golaço de fora da área de Otávio, já o guardião argentino sofreu o primeiro golo após um corte de um colega que isolou o avançado contrário, defendeu o lance no 1×1 mas a bola sobrou para o avançado encostar, no segundo foi um remate após passe antecipado para o final da área e rematado ao poste contrário e o último foi de penalti onde acertou no lado onde a bola terminou.

Dois guarda-redes que passam do jogo com golos sofridos mas também incólumes em culpas. Jogo ingrato para ambos.

[B SAD 1-1 Farense]: (ver resumo aqui)

Um estreante na baliza da B SAD, Kritciuk, que regressa a Portugal depois de vários anos no Krasnodar vindo do SC Braga. Substituía André Moreira que contraira covid-19 e do qual endereçamos rápidas melhoras.

Numa primeira parte com maior ímpeto e domínio da equipa de Faro, que continuava à procura da primeira vitória esta época, em que cada guarda-redes fez uma defesa complicada. O Farense criou mais mas os remates ou embatiam no adversário ou iam para fora.

O guardião russo, neste regresso, foi apenas batido por penalti, tendo tido outro contra mas embateu na barra e ele restabeleceu rapidamente para uma grande intervenção perto do poste. Do outro lado Defendi que vinha a ter uma 2a parte tranquila e onde já se entoavam, na cabeça de cada jogador do Farense, os gritos da vitória… e eis que para lá do tempo de compensação sofreram o golo do empate. No meio de ressaltos e de tantos corpos defensivos, eis que a bola passa e acabaria assim empatado o jogo, numa partida em que a equipa visitante terminaria com menos um jogador por via de uma expulsão perto do final da partida.

[Rio Ave 2-0 Moreirense]: (ver resumo aqui)

Com os habituais titulares, e praticamente totalistas desde a época passada, foi Kieszek e Pasinato a terem as ordens para fechar as respetivas balizas.

E o jogo praticamente abriu com o golo da equipa da casa num lance onde à primeira vista se pode culpar o posicionamento do guardião Pasinato mas se se pensar melhor e com as diferentes perspetivas do lance, entende-se o porquê de tal posicionamento, explicado aqui em baixo:

Num jogo de grande controlo da equipa da casa, Kieszek teve pouco trabalho. Continuando em Pasinato assinou uma grande defesa após um passe seu falhado e depois sofreu de grande penalidade.

[Marítimo 0-0 Nacional]: (ver resumo aqui)

O derby da Madeira terminou com as balizas invioladas, (bem) defendidas por Amir e Daniel Guimarães respetivamente.

Perto do intervalo, num remate exterior, Amir fez uma intervenção muito complicada perto do seu poste e no início da segunda parte, Daniel evitou também em baixo um remate que foi em seu contra-movimento para manter a baliza a zeros. Mais uma ou outra intervenção menos complicada e o resultado iria terminar com o 0-0 inicial.

[Portimonense 1-2 Santa Clara]: (ver resumo aqui)

Os mesmos habituais titulares, Samuel e Marco respetivamente, e foi o guardião da equipa da casa – o melhor jogador da equipa até ao momento – a ir brilhando. Dono de múltiplas defesas ao longo da partida, evitou por algumas vezes o avolumar do resultado. Quando fez uma das defesas da jornada, no lance seguinte sofreu o golo inaugural da partida em que sofre num ressalto após a bola embater num poste. No segundo golo, numa autêntica desatenção defensiva, sofreu no poste perto onde podia ser mais lesto a “cair” para defender mas o remate foi bem colocado.

O golo sofrido por Marco é uma “obra” fantástica da equipa de Portimão. Num livre que podia ser de uma zona de remate, Lucas (batedor) bateu tensa para o segundo poste e tornou a reação (e possibilidade de saída no ar) difícil para o guardião que acabou por ver um cabeceamento a ser disferido ao poste perto. Mérito a quem o tem.

[Gil Vicente 1-2 Vitória SC]: (ver resumo aqui)

Os vimaranenses marcaram cedo na partida após cruzamento para a “zona morta” entre defesa e GR, Denis no caso, e o avançado contrário encostou para golo. A rever aqui o primeiro posicionamento do guardião que perante um cruzamento na máxima largura do campo e com bola coberta, estava muito ao primeiro poste quando o adversário que podia receber se encontrava a vir do meio e havia outro ao segundo poste. Provavelmente não resolvia o lance em antecipação mas pelo menos estaria mais rapidamente fixo e equilibrado aquando do desvio.

O Gil chegaria ao empate quando Denis fez uma grande defesa perto do primeiro poste com o pé e poucos minutos depois após um ressalto que isolou o avançado, tocou por baixo de Bruno Varela que pouco mais conseguiria fazer tal a rapidez do lance. Mérito do avançado aqui.

E o Vitória perto do fim da partida marcou o golo da vitória numa transição ofensiva (relativamente ao ataque do Vitória) em que a bola passa de um corredor para o oposto e surge um remate forte, baixo e colocado ao poste contrário. Inglório para Denis e para o Gil Vicente que, pelo que fez na partida, podia merecer a repartição de pontos (ou algo mais).

[Sporting CP 4-0 Tondela]: (ver resumo aqui)

Só deu Sporting CP a atacar e Pedro Trigueira (Tondela) a defender. Se o guardião não merecia ser goleado, o que se pode dizer das equipas? Resultado justo e a pecar por escasso.

O guardião português bateu recorde de defesas (11) desta e época passada. Ele sim merecia melhor sorte… e já são três jogos seguidos a ser o melhor em campo no Tondela. E desta partida deve sair a melhor defesa da jornada. Entre o 1×1 com Pote ou as 2 defesas a Sporar, é só escolher, com especial pendor e dificuldade para o 1×1 com Pote.

Do outro lado Adán foi espetador e no início ia sendo traído umas quantas vezes pela defesa em passes mais curtos ou demasiado tensos. Deu serenidade e continuidade com os pés.

[SC Braga 1-0 Famalicão]: (ver resumo aqui)

Os bracarenses estão numa boa fase – tanto para a liga como para as competições europeias – e mantiveram o ímpeto na receção ao Famalicão que não perdia desde a estreia na liga.

Mattheus manteve-se na baliza bracarense e rubricou a sua 2a baliza inviolada seguida na liga e teve um jogo mais tranquilo que o seu compatriota, em estreia, na baliza contrária: Vaná. De regresso ao clube… e titularidade também, relegando para o banco Zlobin que não vinha a ter desempenhos positivos nas jornadas anteriores.

E se Mattheus teve apenas um par de ações defensivas, Vaná fez mais de uma mão cheia de intervenções (e difíceis) que impediram um avolumar do resultado. Um grande regresso às balizas do guardião brasileiro e que apenas foi batido numa “recarga” perto do final do jogo. Claramente o homem do jogo.

[Boavista 3-0 SL Benfica]: (ver resumo aqui)

Se tínhamos escrito, que o Paços Ferreira vencer o FC Porto no início da jornada seria uma das surpresas da temporada (apenas para quem não tenha visto o jogo), o que dizer do jogo do até aqui líder do campeão e só com vitórias?

O Boavista mudou de sistema e o Benfica demorou a adaptar-se e pouco “incomodou” na partida, dando mesmo a sensação que estariam mais perto de sofrer que de marcar. Léo Jardim manteve-se na baliza do Boavista e conquistou a sua primeira baliza inviolada da época contra o melhor ataque da liga. Um par de defesas com maior grau de dificuldade mas muita inconsistência principalmente no ar. Vê-se claramente que é um guarda-redes em “reconstrução” depois de uma época praticamente parado no Lille e que está a desconfiar muito de si e que precisava de um jogo assim para galvanizar. Esperemos pelos próximos episódios… mas o Boavista conquistou a primeira vitória da época (e muito justa) e pode ter assim respirar de forma diferente nas próximas semanas.

Do outro lado Vlachodimos foi uma vítima de um descalabro total defensivo. Ainda evitou algumas situações de 1×1 defensivos mas não podia fazer muito mais quer nos golos quer no jogo. Sofreu o primeiro de penalti, onde podia “aguentar” mais um pouco antes do remate, sofreu um segundo golo em que encurtou e o remate saiu fortíssimo para cima de si e o 3o golo é outro golaço ao canto superior da baliza após um passe atrasado para o fim da área.

Os melhores da semana:

Pedro Trigueira e Vaná.

Facebook Comments