#J7 Liga Portugal 20-21 – Houve Daniel Guimarães… e os outros…

Em nova jornada da Liga Portugal 20-21, trazemos novamente tudo o que se passou na principal liga portuguesa no que diz respeito aos guarda-redes.

bestsellers-mrec

Podem ler sobre a Jornada 6 (ver aqui)

[B SAD 0-0 Rio Ave]: (ver resumo aqui)

Kritciuk mantinha-se na baliza da equipa da casa, por André Moreira ainda travar a luta contra o covid-19 e do outro lado estava também Kieszek que firmou assim a sua 3a baliza inviolada seguida. Mas ainda assim “suspirou” com um livre a embater na barra na 2a parte.

Mais trabalho para o guardião russo, da equipa da casa, em dois remates perto da pequena área a serem desviados pelo guarda-redes.  Um nulo que acaba por se justificar num jogo equilibrado.

[Tondela 2-0 Santa Clara]: (ver resumo aqui)

Pedro Trigueira que vinha a ser um dos destaques da equipa beirã, lesionou-se no aquecimento e foi Babacar Niasse a voltar à titularidade na equipa. E nunca é fácil entrar num jogo que sabemos que não vamos jogar… e entrar bem. E ele conseguiu regra geral, passe algumas dificuldades no jogo aéreo – mas também só tem dificuldades no ar quem sai… quem não sai, nunca fica exposto e assim ninguém sabe se é um problema no reportório do guarda-redes -. Algumas defesas interessantes que deram ao Tondela a baliza inviolada e ajudaram à vitória, algo importante de obter após goleada sofrida em Alvalade.

Do outro lado esteve Marco Pereira como habitual e que teve de lidar e de se opor às constantes transições ofensivas da equipa de Tondela, tendo acabado por sofrer assim o segundo golo, sendo que o primeiro foi uma bola longa entre defesas para o avançado do Tondela em que dominou com perícia e numa zona “morta” entre GR e defesa.

Neste golo inaugural, mesmo com a aproximação e oposição do guarda-redes, a bola acabou por embater no mesmo e mesmo assim entrar. Talvez tenha confiado que a bola seria ganha pelo defesa e estava em deslocamento curto e lento à retaguarda em metros que podiam ser necessários ganhar depois para o momento de “fechar” perto do avançado. Mas pouco a dizer, fica uma pequena reflexão e hipótese de ação. Já no segundo sofrido foi completamente traído pelo carrinho em falso do seu central “muito cedo” e que deu a possibilidade de finta do avançado ao mesmo e depois encostar ao poste perto na saída de Marco. Novamente, podia ter sido mais “agressivo” naquela aproximação mas muito demérito da restante defesa do Santa Clara na defesa da profundidade e abordagem ao homem com a bola.

[Famalicão 2-1 Marítimo]: (ver resumo aqui)

Vaná mantinha a baliza do Fama depois de uma estreia prometedora em Braga, mesmo com a derrota, e do outro lado continuava com Amir (pensem só que existem, sem minutos, Charles e Caio Secco… tanta qualidade nesta baliza).

A equipa visitante chegou primeiro ao golo com uma valente cabeçada de Joel. Antes já o Famalicão podia ter marcado mas Amir foi adiando o golo sofrido. Nesse golo do Marítimo alguma indefinição de Vaná a ler a trajetória da bola após “ressalto” e, quando estava a fazer o deslocamento à retaguarda para defender a baliza, foi quando surgiu o remate forte para cima de si. Foi esta indefinição que o impediu de estar fixo e devidamente equilibrado (estava muito baixo) para responder a este cabeceamento que parecia um remate vindo do pé do adversário.

Já Amir foi o guarda-redes mais estimulado da partida. Sofreu o primeiro golo num canto que teve um cabeceamento ao primeiro poste e onde Amir estava a “flutuar” durante o cruzamento com indefinição na leitura da trajetória. Mas mesmo assim seria uma bola difícil se estivesse bem fixo. Já o segundo golo foi um livre que teve um desvio e acabou dentro da baliza e no lado contrário de onde partiu a bola. A segunda parte não trouxe nada de novo e interessante e o resultado fixava-se no 2-1 para os “visitados”.

[Vitória SC 0-4 Sporting CP]: (ver resumo aqui)

O recém eleito melhor guarda-redes Bruno Varela dos meses de Setembro e Outubro, detentor da melhor defesa da competição, recebia o líder Sporting CP. E desde cedo se percebeu que ia ter noite difícil. E a equipa vimaranense foi exposta pelo ataque leonino e o guardião pouco conseguiu evitar. Nada a dizer dos seus golos sofridos.

Do outro lado Adán voltou a ter um jogo tranquilo só com destaque para uma defesa e com uma assistência para golo (o terceiro), mesmo que erro grosseiro do defesa contrário. E agora é o Sporting a melhor defesa e ataque da prova.

[Farense 3-1 Boavista]: (ver resumo aqui)

O Farense conquistou a primeira vitória da época (e já andava a ameaçar há algumas semanas) no regresso ao Estádio São Luís e contra um Boavista que vinha de vitória categórica ao até então líder invicto da Liga Portugal, Benfica.

O pé de Defendi salvou o Farense no momento mais perigoso para a sua equipa com uma grande intervenção. No golo sofrido o remate é forte e colocado mas podia ter deslocado um pouco antes de partir para a queda. Mas um grande golo.

Do outro lado permanece a falta de confiança aérea de Léo Jardim que faz com que a equipa sinta desconforto na pequena área e o adversário se galvanize… e o Farense marcou assim dois golos.  Precisa de mais proatividade e confiança para isso transmitir também boas sensações à equipa. No outro (que foi o primeiro sofrido), nada a dizer.

[Nacional 2-1 Gil Vicente]: (ver resumo aqui)

Daniel Guimarães, Daniel Guimarães, Daniel Guimarães.

O jogo resume-se a este homem. Defendeu dois penaltis e o Gil Vicente podia ir para o intervalo com um 0-3… e acaba o jogo a perder 2-1! O guardião quando estava 0-0 defendeu dois penaltis para desespero da equipa visitante e foi adiando o golo que surgiu perto do final da primeira parte num cabeceamento fortíssimo a apontar ao chão. E na segunda parte voltou a defender muito.

Do outro lado o jogo pendeu para o lado de quem aproveitou a inspiração do guarda-redes mas foram embatendo num Denis que estava muito bem.

No primeiro golo sofreu de uma forma que já tínhamos alertado ser um problema no seu jogo:

“Num cruzamento aberto, praticamente na linha lateral e com bola coberta, Denis estava muito defensivo (ao primeiro poste) e acabou por sofrer do lado contrário apenas pelo seu posicionamento inicial.” (ver aqui)

E foi assim mesmo que sofreu. Cruzamento longo e aberto e o guardião estava algo orientado ao 1o poste. Com um deslocamento muito “lento” para o lado oposto, acaba por não conseguir esboçar reacção ao cabeceamento que foi para o lado contrário de onde vinha. E no segundo golo perto do final…. sem hipóteses, num cabeceamento incrível.

[FC Porto 3-1 Portimonense]: (ver resumo aqui)

Num jogo em que os visitantes começaram a ganhar e foram ameaçando, foram quebrados na bola parada e no jogo aéreo forte do adversário. E 3 dos 4 golos totais da partida foram de cabeça. O primeiro foi numa transição defensiva do FC Porto em que surge um cruzamento bem medido para o avançado encostar ao segundo poste de Marchesin. Sem muito trabalho no resto da partida…

Nos dois primeiros golos sofridos pelo Portimonense, Samuel fez uma aproximação durante a trajetória da bola e chegou sempre desequilibrado no momento do cabeceamento. A rever esse desequilíbrio e falta de perceção da bola na sua trajetória. Fez um par de defesas muito complicadas, com especial destaque para uma intervenção no 1×1 com Sérgio Oliveira na 2a parte. No terceiro golo já com fadiga de toda a equipa era difícil fazer melhor.

[SL Benfica 2-3 SC Braga]: (ver resumo aqui)

Os titulares do costume e um jogo cheio de golos na ressaca europeia onde ambas as equipas sofreram muitos golos (Braga perdeu em Leicester por 4-0 e o Benfica empatou a 3 com o Rangers). E essa tendência continuou nesta partida.

E os dois guarda-redes passam despercebidos em todos os golos sofridos… exceto o terceiro golo dos bracarenses. Num pontapé para o ar na profundidade e que foi para o espaço entre GR e defesa… alguém tem de mandar, e neste caso ou é o defesa proactivo nisso ou o GR, no caso Odysseas. Mas alguém terá de o ser. A saída no espaço fora da área não é errada na decisão (de ir) mas sim na passividade ao encarar o lance e deixar bater a bola várias vezes até ser desarmado e antecipado pelo adversário.

Mas se comunica e pede ao defesa para atrasar a bola, seria um lance de rápida solução. E mesmo depois do caos defensivo, o Benfica ainda marcou 2 golos e quase empatava a partida. Especial nota para o primeiro golo sofrido por Mattheus onde fez uma transição lenta e manteve um posicionamento super aberto e não parece, pelas imagens, que se tenha apercebido da movimentação de Seferovic ao primeiro poste (daí ser exagerado aqui um posicionamento tão “aberto” para o lado oposto da bola). Mas mesmo assim o remate saiu colocadíssimo mesmo que com a reduzida força.

Fez uma defesa incrível quando estava 1-3, o Benfica falhou com a baliza aberta o que seria o segundo golo, marcou a 15′ do final e sonhavam com essa remontada. Mas segundos antes Ody fez uma defesa incrível a um remate picado aéreo. Com o resultado em 2-3, o Benfica ainda marcou no último segundo mas foi anulado. Vitória para a equipa bracarense que conquistou assim a sua 5a vitória seguida na liga.

[Moreirense-Paços Ferreira]: Devido ao plantel inteiro do Moreirense ter sido infetado por covid-19, o jogo foi adiado. Resta desejar rápidas melhoras.

A melhor defesa da semana, escolham entre a defesa ao cabeceamento de Seferovic de Mattheus, à dupla defesa no penalti de Daniel Guimarães. É só escolherem a que preferirem. 

Os melhores: Daniel Guimarães e depois os outros todos. Foi tão superlativo que merece o pódio para si. 

 

Facebook Comments