O Europeu de Futsal na Sérvia terminou e já foi declarado um vencedor: a Espanha. Em dez edições de Europeu, os espanhóis venceram por sete vezes a competição.

Na final do Euro, a seleção de nuestros hermanos venceu a congénere russa por 7-3, num jogo em que Paco Sedano levou a melhor sobre Gustavo. Com muitas intervenções de alto nível, o guardião espanhol foi um dos pilares que sustentou a vitória da sua seleção, enquanto o brasileiro naturalizado russo também realizou várias boas intervenções, mas teve culpa no segundo e no terceiro golo dos espanhóis. Mas em nada mancha a grandeza que demonstrou ao longo do Europeu, sendo um dos fatores decisivos da passagem da Rússia à final.

Na atribuição do terceiro e quarto lugar, pudemos assistir a um contraste: um Cazaquistão com Higuita e a uma Sérvia com Aksentijević em dia não. A seleção cazaque tem de ser definida como a seleção de Higuita. Apesar da displicência no primeiro golo sérvio, o guardião demonstrou, ao longo do jogo, o porquê de ser importante na seleção do Cazaquistão. Saiu a jogar, defendeu imensas oportunidades dos sérvios e ainda marcou um golo. Um contraste do que se passou frente à Espanha, quando não puderam contar com Higuita. Do lado da Sérvia, Aksentijević esteve claramente em dia não. Com imensa culpa nos dois primeiros golos dos cazaques e alguma culpa no terceiro golo, o guardião não esteve à altura do que protagonizou ao longo do Europeu, sendo mesmo substituído por Momčilović no decorrer da partida.

Terminado o Europeu, podemos afirmar que a Espanha é, claramente, a maior potência do Futsal na Europa. E isso reflete-se também nas opções para a baliza, como aqui já foi referido. Ir para um Europeu com três guarda-redes que são titulares nos seus clubes (e não são clubes quaisquer) é algo que apenas está ao dispor de uma grande potência. Esperamos agora por mais jogos de seleções, sendo que o próximo jogo da seleção portuguesa será frente ao quarto classificado do Europeu, a Sérvia. Até lá, boas defesas a todos.